sábado, 15 de dezembro de 2012

Livre

O começo. Como é difícil começar.Os primeiros passos, os tropeços, as quedas. O medo.
Por muito tempo estive escondida, presa em uma prisão sem grades, sem cadeados; por que me parecia mais fácil me conter. Descobri que me aprisionando fortalecia meu maior inimigo, meu medo.
Enquanto isso minha mente gritava por socorro. Meu coração pulsava por uma razão a mais além de bombear sangue, e eu conseguia ver tão de perto os meu sonhos, consegui sentir o cheiro de ser livre.
Me libertei daquela velha ideia de como ser eu, e do que posso ou consigo fazer.
Quero ver tudo que há lá fora.
Quero que me encante.